terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Presépio de natal no Condomínio Conjunto Nacional, localizado na Avenida Paulista










Como de tradição, a Avenida Paulista ganha uma enorme atenção nesse natal que se aproxima, com decorações contagiando inúmeros lugares.

Em destaque o projeto do artista plástico Silvio Galvão desenvolvido pela Cooperativa Social de Trabalho e Produção de Arte Alternativa e Coleta Seletiva.

Ter acompanhado e realizado juntamente com a equipe e com o próprio artísta plástico Sivio Galvão, o processo do projeto feito por ele.Que possui em seu portifólio cenários dos programas da TV cultura: Rá Tim bum, Mundo da Lua e Glub-Glub, dentre outros, (ver mais em: http://artesilviogalvao.blogspot.com/ e http://fabricadearte.art.br/repertorio.html )

Foi portanto uma oportunidade de descobrir como obras assim são elaboradas em projetos, pensando cenografias, obras em tamanhos reais, conhecimentos e manuseio de materiais,além de materiais recicláveis,tudo isso concerteza colaborou com um aprendizado significativo.

Em plena Avenida Paulista ao ver também diversas obras com intuito decorativo comunicando entre si, e que rodeia a massa populacional em um significado simbólico sinto a necessidade então de parar para observar até onde o olho acompanha fazendo parte desse simbolismo decorativo e nesse natal que se aproxima diante a tantas expectativas e a energia única que o ambiente nos proporciona.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Explosão

O amplo mercado consumidor, incluindo grandes corporações e marcas mundiais.São facetas mais visíveis da globalização que estão presentes nas vidas principalmente de novas gerações. Devido a isso apesar de grande impacto positivo, o lado do consumismo ficou excessivo em pouco tempo, afetando assim, todas as áreas da sociedade. Em especial a educação, pois o modo de pensar processos ainda está “atrasado”, diante desses padrões de consumo e esse acesso instantâneo, que lhe oferece resultados de imediato.Abrangendo entretenimento e uma lavagem cerebral a quem é seduzido com tantas opções e novidades.Como isso faz parte da sua vida? Eis a pergunta, arrisque se cegar suprindo suas necessidades psicológiacas comprando, comprando, comprando...Férias X consumo... FACILIDADES é bom aliás é ótimo. Mas e os RECURSOS NATURAIS?
Seria tão difícil filtrar suas opções de consumo, refletindo suas reais necessidades? independente da resposta, seria inútil, já que vender é sobreviver no mercado capitalista atual.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Todas as fotos da I mostra de Artes Visuais

vejam todas as fotos da I mostra de Artes Visuais em:
http://www.flickr.com/photos/dehsoares/sets/72157625507675966/

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Mostras de Artes visuais






Mostras de Artes visuais 2

Ocorreu uma semana toda de Mostras de Artes visuais na Estácio Brooklin ,(dia 22 ao 26) deixo aqui alguns de meus registros dessa semana... dispenso comentários mais profundos sobre os trabalhos expostos pois creio que cada trabalho feito, demonstra por si seu grau de maturidade;Sejam eles bons ou não, claro que sem descartar o meu. Particularmente focando em meu trabalho(fig a baixo) depositei na proposta talvez um estado de animo "misto" e "pesado" dentro dessa construção que parte de nós seres humanos como ser social.Enigmática á deduções alheias porém deixei o trabalho como alvo para opiniões.















O passageiro deixará rastros.











Educação dentro da escola X Arte: O passageiro deixará rastros.

Na minha concepção saber viver e saber olhar é uma Arte. A partir disso aproprio-me a partir do contato com a escola como meio para fazer parte principalmente da vida dos alunos, contribuindo para essa formação de uma etapa passageira, mas eterna, identificando possíveis problemas que interfiram nos estudos, impedindo no desenvolvimento do aluno na escola (sejam eles problemas pessoais quanto no decorrer das próprias aulas), pois a aprendizagem se aprende de verdade na convivência, como base disso precisa ser de fato vivida. Adquiro, portanto um olhar cada vez mais transformador em relação á troca de aprendizagem com alunos e demais professores. Claro que cada um interpreta e aceita de uma forma totalmente diferente dentro de seu mundo.
Entretanto eu venho adquirindo assim também uma bagagem que levarei para a vida toda além de me sentir cada vez mais competente nas atividades exercidas dentro da minha didática que se adapta através de erros e acertos das experiências de cada dia.
Busco deixar meus objetivos de pé e despertar essa força pelo gosto do prazer no que fazemos em outros. Por um outro lado a ferramenta principal é cautela diante de erros para não se engessar no caminho fazendo um trabalho pela metade, trabalho não manual, mas cito aqui um trabalho mental e pessoal que cada um constrói e que se altera e abala, e você determina a gravidade disso. Pois ele fragilizado ao longo desse processo é uma arma que te coloca em risco diante da paixão pelo buscar e percorrer.

“A arte representa um caminho de conhecimento da realidade humana”
Fayga Ostrower.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

A Arte de desenhar na vida

Desenho além de traços que revelam formas é visão de mundo, além de técnica é personalidade. Apresentando um momento que trancede o óbvio e o real. É um procedimento da criação de um mapa que constrói aquilo que se vê aquilo que sente e aquilo que é registrado a cada momento em um patamar diferente.
Perguntei recentemente se tudo parte do desenho, aparentemente sim, mas antes disso pode-se dizer que a origem disso sai da cabeça... Esta então foi à resposta. O resultado final apresenta mudanças, mas partiu inicialmente da mente. Que passa a ser a partir daí nosso manual de instruções. O desenho, portanto é uma passagem para o entendimento da interpretação do que esta sendo visto, mas não apenas pelos olhos e sim por você e seu corpo sentido.
O argumento em cima daquilo que se faz, pode ser forte e influenciador, verdadeiro ou não, depende do ponto de vista, mas será que o importante é o processo? ou o “como” a idéia é recebida aos outros olhos?!
Qual reconhecimento nós esperamos pelo fazer? Como entender essa era contemporânea?
Bem, não importa porque uma vez foi dito “viver ultrapassa qualquer entendimento”.
E se talvez deixássemos de utilizar técnicas já prontas e percebêssemos mais através da observação perceptiva?!
Seria mais interessante descobrir enigmas mentais, deixando de ser movidos a “outros” e finalmente deixar transparecer-nos livremente através de nossas Artes...
Aprendendo a “ver” desenho, desenvolvemos a capacidade de percepção dentro de um processo que se resume a entender, dialogando assim com qualquer meio. Reforçando sua relação com o mundo de forma menos “enjaulada”.
Somos, portanto professores aprendizes uns dos outros dentro e fora de qualquer instituição de ensino, em um processo identidário, motivados através do incentivo. Podendo assim também entender novas possibilidades e despertar a sede de aprender em muitos além de nós mesmos.

Escrito por: Karina

segunda-feira, 11 de outubro de 2010


Um dos estudos de composição com tiras de color set sobre canson A3.

domingo, 10 de outubro de 2010


Porque não deixam transparecer?!!!

Alguns trabalhos em tela e canson A3







Alguns trabalhos... Esse primeiro é inspirado no filme Sonhos de Akira Kurosawa (黒澤 明)

Personagens



Não pude resistir após ter desenhado alguns colegas da facul, explorar das ferramentas do GIMP( aos poucos pretendo fazer e pintar todos,sinto que assim torno existentes como "personagens". além de aperfeiçoar minhas habilidades com a ferramenta).

Movimento Parado


Há formas tridimensionais de entender linhas que partem do desenho por mais simples que possam ser.

fotografias



Em todas as coisas da natureza existe algo de maravilhoso.
Aristóteles

fotografias







''FOTOGRAFAR É COLOCAR NA MESMA LINHA DE MIRA, A CABEÇA, O OLHO E O CORAÇÃO.'' Henri Cartier-Bresson.

O anel

Um aluno chegou a seu professor com um problema: -Venho aqui, professor, porque me sinto tão pouca coisa, que não tenho forças para fazer nada. Dizem que não sirvo para nada, que não faço nada bem, que sou lerdo e muito idiota. Como posso melhorar? O que posso fazer para que me valorizem mais? O professor sem olhá-lo, disse: - Sinto muito meu jovem, mas agora não posso ajudá-lo, devo primeiro resolver meu próprio problema. Talvez depois. E fazendo uma pausa falou: - Se você me ajudar, eu posso resolver meu problema com mais rapidez e depois talvez possa ajudar você a resolver o seu. - C...Claro, professor, gaguejou o jovem, mas se sentiu outra vez desvalorizado. O professor tirou um anel que usava no dedo pequeno, deu ao garoto e disse: - Monte no cavalo e vá até o mercado. Deve vender esse anel porque tenho que pagar uma dívida. É preciso que obtenha pelo anel o máximo possível, mas não aceite menos que uma moeda de ouro. Vá e volte com a moeda o mais rápido possível. O jovem pegou o anel e partiu. Mal chegou ao mercado começou a oferecer o anel aos mercadores. Eles olhavam com algum interesse, até quando o jovem dizia o quanto pretendia pelo anel. Quando o jovem mencionava uma moeda de ouro, alguns riam, outros saiam sem ao menos olhar para ele, mas só um velhinho foi amável a ponto de explicar que uma moeda de ouro era muito valiosa para comprar um anel. Tentando ajudar o jovem, chegaram a oferecer uma moeda de prata e uma xícara de cobre, mas o jovem seguia as instruções de não aceitar menos que uma moeda de ouro e recusava as ofertas. Depois de oferecer a jóia a todos que passavam pelo mercado e abatido pelo fracasso, montou no cavalo e voltou. O jovem desejou ter uma moeda de ouro para que ele mesmo pudesse comprar o anel, assim livrando a preocupação de seu professor e assim podendo receber sua ajuda e conselhos. Entrou na casa e disse: - Professor, sinto muito, mas é impossível conseguir o que me pediu.Talvez pudesse conseguir 2 ou 3 moedas de prata, mas não acho que se possa enganar ninguém sobre o valor do anel. - Importante o que me disse meu jovem, contestou sorridente. Devemos saber primeiro o valor do anel. Volte a montar no cavalo e vá até o joalheiro. Quem melhor para saber o valor exato do anel? Diga que quer vender o anel e pergunte quanto ele te dá por ele. Mas não importa o quanto ele te ofereça, não o venda. Volte aqui com meu anel. O jovem foi até o joalheiro e lhe deu o anel para examinar. O joalheiro examinou o anel com uma lupa, pesou o anel e disse: - Diga ao seu professor que, se ele quer vender agora, não posso dar mais que 58 moedas de ouro pelo anel. - 58 MOEDAS DE OURO! Exclamou o jovem. - Sim, replicou o joalheiro, eu sei que com tempo eu poderia oferecer cerca de 70 moedas, mas se a venda é urgente... O jovem correu emocionado a casa do professor para contar o que correu. - Senta, disse o professor e depois de ouvir tudo que o jovem lhe contou, disse: - Você é como esse anel, uma jóia valiosa e única. Só pode ser avaliada por um especialista. Pensava que qualquer um podia descobrir o seu verdadeiro valor? E dizendo isso voltou a colocar o anel no dedo. - Todos somos como esta jóia. Valiosos e únicos e andamos por todos os mercados da vida pretendendo que pessoas inexperientes nos valorizem. Repense o seu valor!

Texto trabalhado com meus alunos